O que são?

Hérnias são a protusão de parte de um órgão ou da própria gordura da cavidade abdominal através de um defeito da parede abdominal, que pode ser resultado de várias causas, naturais ou não.

Dependendo de que tecido esteja herniado e de quão apertado ele se encontre, teremos um quadro que pode variar desde um leve desconforto local até uma situação de emergência com risco sério à saúde do paciente. Dependendo da localização desta fraqueza classificamos as hérnias com nomes diferentes, que podem ser: hérnias inguinais, na região inguinal (virilha); hérnias femorais, na raiz da coxa; hérnias umbilicais, na cicatriz umbilical; hérnias epigástricas, entre a cicatriz umbilical e o tórax na linha mediana ou hérnias incisionais, que aparecem no local de incisões cirúrgicas prévias.

Na maioria das vezes, se percebe apenas a formação de uma protuberância anormal, uma espécie de “caroço”, que acontece quando fazemos algum tipo de esforço, aumentando a pressão intra-abdominal, como por exemplo durante a tosse, as evacuações ou algum exercício mais vigoroso. Outras vezes o médico descobre a hérnia por acaso durante um exame físico de rotina, em um paciente que nunca teve nenhum sintoma ou desconforto.

 

Diagnóstico

O diagnóstico das hérnias da parede abdominal é essencialmente clínico, através de um exame físico simples. Nos casos de hérnias muito pequenas e em pacientes obesos, pode ser necessário o uso da ultra-sonografia.

 

Tratamento

Não existe remédio para hérnias e por isso o tratamento é sempre cirúrgico, desde que o paciente tenha condições clínicas que permitam que a cirurgia seja feita. Atualmente é muito comum o uso de próteses (telas) para o tratamento das hérnias. A tela é feita de um material sintético, usualmente polipropileno, é fina e maleável e se assemelha a um pedaço de véu. É colocada sobre ou sob o defeito herniário e fixada com fios, grampos ou uma cola especial, produzindo uma reação tecidual do nosso organismo no local. Essa reação, que também é chamada de fibrose, é muito importante para o reparo tecidual e para diminuir as chances de recidiva (retorno da hérnia).

 

Será que é possível evitá-las?

De fato, não existe prevenção para as hérnias da parede abdominal, mas sempre há algumas boas dicas pra se ficar atento:

 

Cuidado ao erguer peso

Cuidado com os exageros! Atividades física são sempre bem-vindas, sendo um hábito saudável em todos os seus aspectos. Mas aos que possuem esta tendência não é recomendado o esforço abdominal abusivo, principalmente ao erguer pesos. O objetivo aqui é evitar esforços incorretos em quem tem a parede muscular enfraquecida. Em todo caso, procure sempre um profissional de educação física para orientação do seu treino.

 

Consuma muitas  fibras

As fibras são extremamente importantes para evitar diversas doenças gastrointestinais, auxiliando no funcionamento do intestino. Elas aceleraram o trânsito intestinal e aumentam o bolo fecal e proporcionando melhora na obstipação intestinal ou prisão de ventre. As fibras estão presentes nas frutas, verduras, legumes e nos cereais. Claro, não se esqueça de beber bastante água.

 

Emagreça

Caso o paciente apresente um quadro de obesidade, é recomendada a perda de peso. O sobrepeso, além de todas as suas demais implicações, força a parede abdominal e resulta no acúmulo de gordura na região. Pacientes obesos possuem uma maior tendência a desenvolver hérnias, além de uma série de outras doenças. Procure sempre um médico especialista.

 

Para saber mais sobre hérnias da parede abdominal, clique AQUI.