Uma vida mais longa e com mais qualidade é o desejo de quase todo mundo. Ter mais tempo para curtir os filhos e os netos, poder viajar mais e até mesmo viver uma velhice com mais energia – parece um sonho, não é? Mas, para se chegar lá, é preciso ter muita disciplina com a sua saúde. Segundo um estudo realizado pelo Departamento de Nutrição da Harvard T.H, em Boston, conduzido pela Dra. Yanping Li, incorporar 5 hábitos simples a sua rotina pode prolongar a vida em pelo menos uma década. Quer ver como pode ser fácil?

 

Os 5 hábitos

  1. Manter o índice de massa corporal (IMC) entre 18,5 e 24,9 Kg/m²;
  2. Não fumar;
  3. Realizar 30 minutos de atividade física vigorosa todos os dias;
  4. Seguir uma dieta de alta qualidade;
  5. Consumir quantidades moderadas de álcool (para mulheres, um copo de vinho ao dia e para homens, dois copos de vinho ao dia);

São estes os hábitos de vida apontados como fundamentais para uma vida mais longa e saudável. A pesquisa também indica que a expectativa de vida para as mulheres será de 14 anos a mais e para homens, de 12,2 anos a mais, se eles seguirem todos estes passos. A comparação foi feita com indivíduos que não tinham nenhum destes hábitos na sua rotina.

 

A influência da obesidade

Após analisarem os dados sobre a dieta e estilo de vida de 78.865 mulheres, que foram acompanhadas por até 34 anos (1980 a 2014) e de 44.354 homens, que foram acompanhados por até 28 anos (1986 a 2014), a pesquisa revelou que a maior razão para essa discrepância era que quase 50% dos pacientes analisados eram obesos.

A obesidade, segundo a pesquisa, superou problemas como tabagismo e sedentarismo!

 

Um novo estilo de vida

Ainda não segue todos estas 5 indicações à risca? Calma! De acordo com a Dra. Li, a adoção de apenas alguns destes hábitos já ajuda e muito o organismo a funcionar de forma mais saudável. Cada hábito incorporado à sua rotina, poderia representar de dois a três anos a mais na sua vida.

Portanto, a mudança de estilo de vida é fundamental neste processo e a força para esta mudança está apenas no paciente.

O objetivo da pesquisa, no final das contas, é de mostrar as influências e as consequência das escolhas pessoais de cada indivíduo ao longo de toda sua vida. Nós, médicos, estamos aptos a orientar os melhores caminhos e a avaliar quadros clínicos e fatores de risco já diagnosticados ou indicados, como a obesidade, a hipertensão ou o colesterol alto. O paciente pilota todo o resto através de suas próprias escolhas.

“Acho que um estilo de vida saudável deve começar antes dos indivíduos se tornarem pacientes”, reforça Dra. Li.

Que tal começar o dia de hoje escolhendo viver melhor e com mais qualidade?

 

Para saber mais sobre hábitos saudáveis que ajudam a prevenir alguns tipos de câncer clique aqui e para saber mais sobre a cirurgia da obesidade, clique aqui.

Fonte: Adaptado da publicação no Circulation, de 27 de fevereiro de 2018.