A ideia deste post é tentar responder os questionamentos mais comuns e é baseado nas perguntas que os paciente têm feito, mesmo depois de ler as publicações que tenho no site. Pra quem ainda não as leu e tiver interesse, seguem os links:

 

Sobre as técnicas cirúrgicas

Basicamente trabalhamos apenas com dois procedimentos cirúrgicos, o bypass e o sleeve, ambos por videolaparoscopia. A preferência de um modo geral é pelo sleeve e o motivo, resumidamente, é pela simplicidade técnica e pela maior facilidade do manejo pós-operatório, principalmente no longo prazo. A doença do refluxo gastroesofágico com alterações anatômicas é o motivo mais comum para optarmos pelo bypass, que também é uma excelente cirurgia. Não fazemos gastroplastia endoscópica e não colocamos balão intragástrico, porque não os consideramos tratamentos adequados para a obesidade severa, apesar de terem sua indicação em casos muito selecionados.

 

Tempo de cirurgia

Habitualmente o paciente interna duas horas antes do horário previsto para o procedimento, que dura em média, entre 30 a 40 minutos para o Sleeve e entre 50 a 70 min para o bypass. Depois da cirurgia o paciente permanece na sala de recuperação anestésica até que tenha se recuperado completamente da anestesia, indo para o quarto geralmente entre uma e duas horas depois de terminada a cirurgia.

 

Tempo de internação

O paciente geralmente vai pra casa no segundo dia depois da cirurgia, ou seja, geralmente passa duas noites no hospital.

 

Dreno

Nas duas técnicas laparoscópicas que usamos, deixamos o dreno por 6 dias e o retiramos no consultório depois que o paciente já teve alta. Não há dificuldades em manejar o dreno abdominal em casa e não dói para retirá-lo. O paciente vai precisar fazer curativos simples, usando apenas com gaze e micropore por uns 3-4 dias depois de retirar o dreno. Este é o período onde geralmente há a cicatrização do orifício onde estava o dreno.

 

Cicatrizes

Tanto para o bypass quando parar o sleeeve fazemos dois pequenos cortes de 2 cm e três cortes de 0,5 cm. Não há pontos para serem retirados, eles são feitos para dentro, com fios absorvíveis que não ficam expostos na pele. A orientação é de deixar o curativo como está até o retorno no consultório que acontecerá no sexto dia depois da cirurgia.

 

Faixa Abdominal ou Cinta

Quando a cirurgia bariátrica ainda não era feita por laparoscopia, era muito comum a ocorrência das hérnias da parede abdominal e por isso usávamos essas cintas rotineiramente. A incidência de hérnias na cicatriz deixada pela cirurgia naquela época chegava a quase 50% dos casos. Hoje em dia com a mudança da técnica cirúrgica, as hérnias são  raríssimas e, portanto, não vemos mais nenhuma indicação para o seu uso.

 

Meias Elásticas

As meias elásticas são importantes para a profilaxia da trombose venosa profunda e do tromboembolismo pulmonar e são usadas rotineiramente. Elas serão usadas enquanto o paciente estiver fazendo uso das injeções subcutâneas da enoxaparina.

 

Injeções de Enoxaparina

Orientamos o uso das injeções subcutâneas durante a internação e até completar 15 dias de pós-operatório. Trata-se de um medicamento anticoagulante e são importantes na profilaxia da trombose venosa profunda e do tromboembolismo pulmonar. São facilmente aplicadas, sem necessidade de auxílio de uma enfermeira ou qualquer outro profissional, sendo aplicadas pelo próprio paciente quando já está em casa.

Além da meia elástica e das injeções, durante a cirurgia um aparelho fica massageando as pernas do paciente de forma automática e intermitente e também estimulamos o paciente a sair da cama bem precocemente. Com todas essas ações e pelo fato da cirurgia ter um tempo de duração bastante curto atualmente, a ocorrência da trombose felizmente é muito rara.

 

Respiron

É um dispositivo que serve para fisioterapia respiratória e o paciente normalmente recebe o aparelho no dia seguinte da cirurgia. A fisioterapeuta explicará o seu uso durante as sessões ainda no hospital, mas é importante que ele também seja usado em casa depois da alta. Procedimentos cirúrgicos no abdome e a obesidade favorecem o aparecimento de atelectasia, que é quando uma parte do pulmão fica colapsado, ou seja, não se expande adequadamente. Esse aparelho evita que isso aconteça e auxilia na prevenção de infecções pulmonares.

 

Dor

A dor é bastante incomum no pós-operatório da gastroplastia. Geralmente o paciente recebe analgésicos enquanto está internado, mas dificilmente faz uso deles em casa.

 

Complicações mais frequentes

A complicação mais frequente é o sangramento na linha de grampeamento, motivo principal para o uso do dreno abdominal que atua vigiando o sangramento. Normalmente o sangramento é muito discreto e não causa qualquer problema, mas eventualmente podemos ter a necessidade de transfusão e mais raramente de uma nova intervenção laparoscópica para limpar a cavidade abdominal e conter o sangramento, mas isso é bastante raro e são casos de exceção!

Atenção: existem várias outras complicações possíveis e que não são tão comuns, mas se você vai fazer uma cirurgia bariátrica, recomendo que leia na íntegra o tópico “Complicações mais comuns da gastroplastia” que está no meu site neste link.

 

Outros detalhes

É bacana contar com um acompanhante durante a sua internação, mas isso não é fundamental.

Os pacientes precisam fazer jejum de oito horas antes do procedimento cirúrgico, inclusive para água.

Se você é diabético e toma hipoglicemiantes orais, não deve fazer uso dos mesmos no dia da cirurgia, exatamente por causa do jejum, pois pode haver hipoglicemia se o paciente tomar medicamentos para o diabetes e não se alimentar. Os medicamentos para hipertensão, coração e para hipotireoidismo, por exemplo, devem ser ingeridos no horário habitual, com um pouco de água apenas. Já os anticoagulantes orais geralmente são suspensos uns dias antes, mas isso varia um pouco, de caso para caso. Quando você passar no anestesiologista, o que geralmente acontece um ou dois dias antes da cirurgia, ele explicará com detalhes esta questão de quais medicamentos devem ou não ser tomados no dia da cirurgia.

Alguém do hospital vai ligar para você alguns dias antes para dar informações mais detalhadas do que levar para hospital no dia da internação (vai falar sobre os artigos de higiene pessoal, roupas íntimas e etc…), mas não se esqueça de levar a guia de internação e todos os exames que estão com você.

Se você estiver menstruada, não tem nenhum problema. Mas se estiver com tosse ou resfriado, avise seu médico o mais rápido possível, porque provavelmente a sua cirurgia será adiada.

Se tiver mais dúvidas, estou sempre à disposição no consultório. Tem mais coisas interessantes no nosso blog, confira!