A obesidade já se tornou um grave problema de saúde pública no Brasil. Segundo dados divulgados recentemente pelo Ministério de Saúde, a doença já atinge 18,9% da população do país. Um número alarmante! Hoje são feitas mais de 100.000 cirurgias bariátricas por ano no Brasil e olhando para estes números podemos entender porque há tanto interesse sobre o tema.

Há indicação para a cirurgia se o IMC, como já explicamos aqui, tem valor acima de 40 ou valor entre 35 e 40 quando o paciente tem as doenças associadas à obesidade, que chamamos de comorbidades. Essas são linhas gerais sobre o tratamento, claro. Você deve procurar sempre o seu médico para que ele faça uma avaliação detalhada do seu caso!

 

As cirurgias podem ser classificadas em três tipos:

  • Cirurgias restritivas

Cirurgias que diminuem a quantidade de alimentos que o estômago é capaz de comportar. Ou seja, reduzindo o tamanho do estômago. Por isso, a técnica limita o volume de alimento sólido que o paciente ingere nas refeições e, consequentemente, há o emagrecimento. A conscientização do paciente é ainda mais importante nesse processo. Não há como restringir o volume dos alimentos líquidos, que podem ser ingeridos praticamente na mesma quantidade.  Se eles forem muito calóricos irão atrapalhar ou até impedir a perda de peso!

  • Cirurgias disabsortivas

Cirurgias que reduzem a capacidade de absorção do intestino, através de um desvio. Assim, o paciente pode comer, mas o procedimento atrapalha a absorção dos nutrientes e, logo, há perda de peso. Para isso, há a necessidade de controle mais rigoroso quanto a distúrbios nutricionais, absorção de elementos minerais e vitaminas. O método se tornou bastante popular pela qualidade de vida que oferece ao paciente.

  • Cirurgias de técnicas mistas

Cirurgias onde é imposto certo grau de restrição, mas também há um desvio do intestino causando má absorção de alimentos. Dentre tantas opções de tratamento, é comum o questionamento sobre qual o melhor tipo de cirurgia:

Atenção: somente um médico especializado saberá avaliar qual tipo de cirurgia pode ser melhor para o seu caso. 

 

As técnicas

Além de diferentes tipos de cirurgia, hoje contamos com quatro técnicas autorizadas para realizar a cirurgia: bypass gástrico (gastroplastia em “Y de Roux”), gastrectomia vertical (sleeve), banda gástrica ajustável e o duodenal switch. O balão intragástrico não é considerado como uma técnica cirúrgica e seu uso, assim como as técnicas da banda gástrica ajustável e o duodenal switch tem sido cada vez menos usados.

Veja mais detalhes aqui e aqui.

 

Conscientização

Independentemente do tipo de cirurgia escolhido, assim como o seu método, é de extrema importância a conscientização do paciente. Como eu sempre digo, a cirurgia é apenas uma parte do processo pelo qual ele vai passar para perder peso. É apenas o ponta-pé inicial de longa jornada que mudará a sua vida para sempre! A reeducação alimentar e a mudança de hábitos são fundamentais ao longo deste caminho.

 

Para saber mais sobre a cirurgia da obesidade, clique aqui.