A doença diverticular pode ser mais comum do que muitos imaginam. Você sabe o que são divertículos? São pequenas suculações, pequenas bolsinhas que se formam ao longo do nosso tubo digestivo. Eles se formam por alguns pontos de fragilidade na mucosa do intestino grosso, geralmente onde entram os vasos sanguíneos.

Diverticulite é o termo usado quando acontece a inflamação ou perfuração dos divertículos e diverticulose significa a presença de divertículos no intestino grosso. Falamos em doença diverticular quando nos referimos aos pacientes que apresentam sintomas causados pela presença dos divertículos ou pelas complicações que acontecem por causa dos divertículos (perfurações e o sangramentos).

 

Quais os sintomas?

A maioria dos portadores diverticulose são assintomáticos e não apresentarão problemas durante toda a sua vida. Diferente de quando o paciente apresenta o quadro de diverticulite, que como foi explicado acima, é a inflamação de um ou mais divertículos. O quadro pode ser leve, com dor de variável intensidade, de localização preferencialmente à esquerda e febre baixa ou inexistente. Nos casos mais graves os sintomas são mais exuberantes, podendo haver peritonite (infecção da cavidade abdominal), sepse (infecção com inflamação sistêmica) e sangramento.

 

Qual a causa?

Acredita-se que a principal causa da diverticulose seja a alta pressão intra-colônica, que forçaria a herniação da mucosa intestinal, formando os divertículos. Isso significa que problemas como a constipação intestinal, uma dieta com baixo teor de fibras e também a obesidade são fatores diretamente associados à doença.

 

Como prevenir?

Uma dieta rica em fibras pode ser uma importante aliada para o bom funcionamento do nosso intestino. Elas estão presentes nas frutas, verduras, legumes e nos cereais. As fibras não são completamente digeridas pelo nosso organismo e isso pode ser muito bom! Elas aceleraram o trânsito intestinal e aumentam o bolo fecal e proporcionando melhora na obstipação intestinal ou prisão de ventre.

Claro, beber bastante água também é fundamental neste processo! Ao mantermos nossos  intestinos regulados, prevenimos o aumento de pressão intra-colônica e assim a diverticulite.

 

Ideias de receitas ricas em fibras:

  • Spaghetti de abobrinha e cenoura: Corte a abobrinha e cenoura em tirinhas bem fininhas, como se fosse um macarrão. Salteie-as em uma frigideira com um fio de azeite e deixe-as cozinhar em 1/4 de copo d’água, até elas ficarem mais macias. Cubra com molho de tomate artesanal.
  • Wrap integral com de ricota orgânica e balsâmico: Tempere a ricota com um fio de azeite, sal rosa, pimenta do reino e folhinhas frescas de manjericão. Em uma panela pequena e em fogo médio, coloque o vinagre balsâmico e mexa-o até engrossar. Coloque o creme de ricota bem no meio do seu wrap e sele-o em uma frigideira. Coloque o molho balsâmico por cima.
  • Pudim de chia com creme de manga: Misture 2 colheres de chia em meio copo leite de aveia e leve a geladeira no mínimo por 3 horas. Bata meia manga congelada no liquidificador até formar uma espécie de smoothie e complete o copo de chia. Decore com as frutas vermelhas e as folhas de hortelã.

 

Para saber mais sobre diverticulite, clique aqui. Este link leva a uma publicação onde há uma tabela com vários alimentos e a respectiva quantidade de fibras por porção. Não deixe de conferir!