O nome parece complicado, mas esteatose hepática é simplesmente o acumulo de gordura no fígado, podendo também ser chamada de fígado gorduroso. O fígado é responsável pela metabolização de lipídios, ou seja, toda gordura que ingerimos, mas ao estar sobrecarregado, ele passa a acumular gordura.

Dentre as principais causas da doença estão o consumo abusivo de bebidas alcoólicas, obesidade, diabetes tipo 2, resistência à insulina, colesterol alto, desnutrição, uso de remédios como estrogênio e glicocorticóides e doenças do fígado, como hepatite crônica e doença de Wilson. Cirurgias como o bypass gástrico e a gravidez também são condições associadas.

Mais recorrente em mulheres, pode acometer qualquer faixa etária, inclusive as crianças. Por isso, fica o alerta!

 

Pessoas magras podem acumular gordura no fígado?

Sim, a esteatose hepática possui uma forte relação com uma alimentação desregulada e hábitos pouco saudáveis e não necessariamente ao sobrepeso, em si. Pessoas magras com  problemas como diabetes e colesterol alto também têm tendência a desenvolver a doença. Outro fator de risco pode ser perder muito peso rapidamente. Com as mudanças bruscas no metabolismo, o fígado acaba ficando sobrecarregado e ocorre o acumulo de gordura.

 

Como o consumo abusivo de álcool pode causar a doença?

A esteatose hepática é a primeira lesão a ocorrer naqueles que consomem bebidas alcoólicas em excesso. Após ser absorvido pelo trato digestivo, a maior parte da metabolização do álcool é feita pelo fígado. O problema é que a medida que o  álcool é processado, substâncias nocivas ao fígado também são produzidas pelo próprio organismo.

A esteatose hepática ocorre em mais de 90% das pessoas que bebem muito álcool. O segundo grau desta sobrecarga é a inflamação do fígado, chamada de hepatite alcoólica que atinge de 10% a 35% das pessoas. Nos casos mais graves, desenvolve-se então a chamada cirrose, que atinge cerca de 10% a 20% que consomem bebidas alcoólicas de forma abusiva. A lesão causada pela cirrose é irreversível.

Nos casos de problemas com alcoolismo, este paciente normalmente já apresenta também o quadro de desnutrição crônica, agravando ainda mais a sobrecarga do fígado.

 

Quais os sintomas da esteatose?

Na imensa maioria dos casos a esteatose hepática é uma doença assintomática, ou seja, os pacientes não apresentam nenhum sintoma relacionado a essa condição. Nos casos complicados da doença podem ocorrer dor e desconforto na região abdominal à direita e logo abaixo das costelas, sensação de mal estar e fadiga. Nos casos mais graves e avançados, já com insuficiência hepática, pode se notar o amarelão dos olhos e da pele, encefalopatia hepática, que seria um estado de confusão mental e eventualmente até de coma. Diminuição das plaquetas do sangue e hemorragias gastrointestinais também são comuns nessa fase.

 

Como é feito o tratamento da esteatose hepática?

Não existe tratamento específico para a esteatose hepática e o uso de medicamentos ainda é bastante controverso. Geralmente o tratamento depende da causa da esteatose e basicamente consiste em dieta pobre em carboidratos, deve ser feito o controle rigoroso do colesterol e da glicemia, o consumo de álcool deve ser descontinuado, deve ser adotada a prática de atividades físicas regulares e aumentar o consumo de fibras, frutas e vegetais. Perder peso é essencial!

 

O que é importante se lembrar!

Principalmente com as festas de final de ano, é comum abusar de bebidas alcoólicas e comidas gordurosas. Por isso, celebre com responsabilidade! Prevenir é sempre o melhor negócio. Procure um médico especialista para tirar suas dúvidas.

Para saber mais sobre esteatose hepática, clique AQUI.