Hérnia Interna ou Hérnia de Petersen é uma complicação tardia da gastroplastia do tipo bypass e ocorre em até 5% dos casos.

A hérnia pode ocorrer quando o paciente que foi operado perde bastante peso e acaba havendo a migração de um segmento de intestino fino, através dos espaços ou brechas que são criados artificialmente durante a cirurgia.

Logo depois da cirurgia, mas ainda antes do paciente emagrecer, estas brechas praticamente não existem, porque estes espaços estão preenchidos por tecido gorduroso do paciente.

Com o passar do tempo, quando há a perda de peso e a consequente perda de gordura visceral, esses espaços se tornariam efetivamente presentes, e podem se tornar locais por onde parte do intestino delgado se insinua.

Isso pode causar obstrução intestinal e, eventualmente, torção de parte do intestino, com possibilidade de isquemia e necrose do mesmo.

Se ocorrer isquemia intestinal, o quadro pode ser grave e, neste caso, na dependência do tamanho do intestino que foi afetado, pode até mesmo ser fatal.

Por sorte, na maioria das vezes o paciente apresenta sinais e sintomas que permitem ao cirurgião detectar a presença da hérnia interna precocemente, antes de causar danos graves e, portanto, resolver o problema com uma laparoscopia.

 

Atenção: hérnias internas não acontecem no Sleeve!

 

Veja na ilustração abaixo o que é o espaço de Petersen, que dá nome a um dos tipos de hérnia interna e onde mais estas hérnias podem ocorrer:

Sinais e sintomas

Normalmente o paciente apresenta dores abdominais, geralmente em cólicas e que acontecem mais comumente depois da alimentação;

Às vezes, as cólicas são esporádicas e de leve intensidade, mas podem ser mais intensas e frequentes e, neste caso, certamente o paciente acabará procurando atendimento médico;

Nos casos onde há a obstrução intestinal, pode haver distensão do abdome, vômitos, dor abdominal de forte intensidade, sudorese e mal estar geral;

Nos casos onde há torção e isquemia de parte do intestino o quadro é mais grave, podendo haver hipotensão e taquicardia, além dos sintomas descritos acima.

 

Diagnóstico difícil

O problema é que os sintomas são muito inespecíficos, ou seja, são comuns a várias outras situações e a outras doenças. 

Além disso, no início do quadro o paciente pode ter o exame físico completamente normal, com o abdome flácido e muito pouco doloroso. Também não é incomum apresentar os exames laboratoriais completamente normais.

Se a hipótese de hérnia interna não for aventada pelo médico do serviço de emergência, o diagnóstico poderá ser retardado, o que certamente pode provocar a piora do quadro.

O raio X simples de abdome e a ultrassonografia de abdome não são exames que ajudam muito neste diagnóstico. Já a tomografia de abdome com contraste tem alta sensibilidade e especificidade quando a herniação está de fato presente e principalmente quando há obstrução intestinal e sofrimento visceral.

Há também o problema de que a herniação intestinal pode se desfazer e se refazer espontaneamente e, neste caso, apenas a laparoscopia confirmará este diagnóstico.

 

Por isso, se você fez cirurgia bariátrica do tipo bypass e está apresentando sintomas parecidos, é muito importante comunicar logo o seu cirurgião!

 

Tratamento

O tratamento é eminentemente cirúrgico e deve ser realizado assim que o diagnóstico for feito. Geralmente é acontece por laparoscopia onde o cirurgião avaliará todo o intestino fino e também os orifícios criados pela cirurgia para ver se há herniações através deles.

Constatado o problema, o cirurgião coloca as alças de intestino no seu devido lugar e realizará o fechamento desses espaços (brechas) com uma sutura, selando esses defeitos.

Se houver sofrimento e isquemia das alças intestinais, ressecções de segmentos intestinais podem ser necessárias.