No segundo episódio da série “Alô, Gastro!” o papo é sobre constipação intestinal. Você sofre com o seu intestino preso, se sente inchada, tenta ir ao banheiro todos os dias e nem sempre consegue? Pois saiba que essa é uma das causas mais comuns que levam muitos pacientes, principalmente as mulheres, ao consultório do gastroenterologista. Mas você sabia que o fato de você não ir ao banheiro todos os dias, nem sempre significa uma disfunção do seu aparelho digestivo?

 

O mito do intestino regulado

O hábito intestinal, ou seja, o funcionamento habitual do intestino, pode variar muito de indivíduo para indivíduo. Isso significa que nem todas as pessoas sentirão, por exemplo, a necessidade de ir ao banheiro todos os dias. Ao mesmo tempo, pessoas que possuem o hábito intestinal mais acelerado, sentem a necessidade de ir ao banheiro mais de uma vez ao dia, sem que nenhuma dessas situações signifique que há um problema no intestino.

É bastante provável, inclusive, que estas diferenças estejam apenas relacionadas a individualidade de cada um. Não há problema nenhum se você deixar de ir ao banheiro por um ou dois dias, por exemplo, pode ser que este seja apenas o ritmo normal do seu corpo e é uma situação muito comum quando saímos da nossa rotina, nas nossas viagens, por exemplo.

Chamamos de prisão de ventre, constipação ou obstipação, quando o paciente vai ao banheiro menos que três vezes na semana. 

 

Mas quando devemos nos preocupar?

Devemos nos preocupar quando existe uma nítida alteração do hábito intestinal que se torne permanente, ou seja, seu intestino funcionava com uma frequência e agora está bem mais lento ou mais acelerado. Se isso não melhorar em algumas semanas, pode ser um sinal de alerta! Como eu já chamei atenção em outras publicações, a presença de muco e sangramento nas fezes e a sensação de que o intestino não se esvaziou completamente após a evacuação são motivos para procurar um médico especialista para uma avaliação criteriosa.

 

A indústria do intestino preso

Dentre as propagandas de iogurtes e produtos que contêm fibras, criou-se a ideia de que ir ao banheiro todos os dias, regularmente e no mesmo horário, deve ser a meta de todas as pessoas. Passa-se a impressão de que se com você não é assim, você não seria normal. Portanto, quem não se encaixa neste esteriótipo deve consumir (comprar) mais e mais desses alimentos, que ajudam a “regular” o funcionamento intestinal. Ou seja: quanto mais pessoas se sentirem constipadas, mais produtos serão vendidos para “resolver” este problema. O mesmo acontece com os laxantes.

 

E aquela sensação de que eu elimino poucas fezes?

É também uma queixa comum a percepção de que as fezes são pequenas, de pouco volume e até parecidas com fezes de carneiros (bolinhas). Fica a sensação de que nem tudo que comemos está sendo eliminado, não é mesmo? Pois bem, aqui precisamos deixar claro o seguinte: quanto mais tempo as fezes ficarem no seu intestino, menor elas ficarão, porque o intestino grosso, especialmente o final dele, tem a função de absorver a água das fezes. Mais tempo paradas ali, mais água é absorvida e menor volume elas terão. As chamadas fezes em cíbalos – as bolinhas – são típicas de paciente com o hábito intestinal lento. Por outro lado, quem evacua mais frequentemente terá fezes de maior calibre e volume.

 

Fibras: amigas ou inimigas?

Os alimentos que contém fibras são fundamentais para o funcionamento do nosso intestino e ajudam a prevenir diversas doenças. Frutas, verduras, grãos e cereais devem sim fazer parte da dieta de todos e seu consumo deve ser sempre estimulado. Entretanto, isso deve ser feito com cuidado e sem exageros!

Digo isso, porque que quando consumidas em grandes quantidades e sem orientação adequada, as fibras também ajudam na formação de gases, que podem aumentar a sensação de desconforto intestinal e provocar até dor em algumas pessoas. Aí vem aquele clássico raciocínio de que a sensação de estufamento está acontecendo pelo fato de eu ir pouco ao banheiro, por isso precisaria de mais fibras e laxantes e o resultado é que você acaba sentindo ainda mais os efeitos colaterais do excesso de fibras. Além disso, é importante lembrar que o consumo de fibras deve vir sempre acompanhado de bastante água, se não, não obteremos o efeito esperado. Se manter hidratado é fundamental para produção de fezes menos densas, que serão eliminadas de forma mais confortável.

 

E a história de que é necessário fazer exercícios para melhorar o intestino, é verdade?

Sabe-se que o sedentarismo é muito ruim para uma série de situações e com o intestino, não é diferente. A atividade física regular ajuda muito na manutenção adequada do seu hábito intestinal. Pacientes idosos ou que têm mobilidade reduzida, sabem bem disso. Também, por isso, é esperado que o hábito intestinal torne-se progressivamente mais lento com o passar dos anos, sendo que na velhice isso pode ser tornar bastante evidente.

 

Atenção! Eu não disse em nenhum momento que ter um hábito intestinal regular e frequente não seja bacana, mas alterá-lo artificialmente com laxantes, apenas com o objetivo ir ao banheiro todos os dias, definitivamente não deve ser uma meta a alcançarmos. Tente sempre regular o seu intestino com uma dieta adequada e rica em fibras, com atividade física regular e muita água e evite ao máximo iniciar precocemente o uso de laxantes de forma indiscriminada e sem prescrição médica, principalmente os laxantes irritativos.

 

Se quiser ler um pouco sobre sangramento intestinal, clique aqui, ou se quiser ler sobre câncer de intestino, clique aqui.

Neste post falamos um pouco sobre os mitos e verdades da prisão de ventre, mas nada substitui a avaliação médica, ok? No caso de qualquer desconforto intestinal, procure sempre um médico especialista para avaliar o seu caso de forma individual e criteriosa.