Mau hálito ou halitose é uma condição relativamente comum e, como todo mundo sabe, refere-se ao mau cheiro que é percebido na boca de alguém, geralmente quando estamos falando.

A pessoa que está com mau hálito pode não percebê-lo e realmente não saber que isso está acontecendo, o que gera situações constrangedoras, podendo afetar negativamente relações pessoais, atividades profissionais e gerar problemas conjugais sérios.

É comum que o paciente vá ao consultório acompanhado do seu companheiro ou da sua companheira e quem reclama do mau hálito e fala do problema durante toda a consulta é o acompanhante, ficando o paciente quieto e meio sem jeito, apenas escutando.

Mas será que o problema está no seu estômago? Veja:

 

Existem alguns tipos de halitose:

  • fisiológica, que é comum pela manhã, quando há uma diminuição na produção de saliva, o que faz com que o mau hálito ocorra, mas que desaparece muito facilmente depois de se escovar os dentes e de tomar água.
  • patológica, onde há uma causa específica identificável.
  • subjetiva ou pseudo-halitose, quando ninguém além do paciente percebe o referido mau hálito.

 

Halitofobia é o termo que descreve aquela pessoa que acha persistentemente que tem mau hálito. Fica praticamente obcecada com isso, escova os dentes e faz gargarejos o tempo todo e de forma compulsiva e normalmente tem pseudo-halitose.

 

Quais as causas possíveis?

Aqui talvez esteja a informação mais importante deste post: quase a totalidade das causas de halitose se encontra na boca do paciente!

Na parte posterior da língua existem pequenas criptas que são os espaços entre as papilas e que proporcionam condições ideais para um grande número de bactérias se alojarem facilmente. Ali também se juntam restos de células descamadas do próprio epitélio da língua e restos de alimentos.

A fermentação dos alimentos e dos restos celulares pelas bactérias elimina substâncias voláteis que cheiram mal, causando o mau hálito.

Chamamos esta situação de saburra ou língua saburrosa e popularmente é conhecida de língua branca ou esbranquiçada e isso também acontece com os alimentos que ficam retidos entre os dentes.

Felizmente a saliva lava constantemente esta área e contém enzimas com ação antimicrobiana e que iniciam a digestão dos alimentos ainda na boca.

O cáseo amigdaliano pode ser uma causa de mau hálito. Tem este nome porque tem aspecto esbranquiçado e é formado pelo acúmulo entre as criptas amigdalianas de resíduos alimentares, fragmentos de bactérias, fungos e outros micro organismos e de células descamadas da mucosa que reveste a cavidade oral.

A halitose pode ser causada por placas bacterianas, má conservação dos dentes e das restaurações dentárias e pelas gengivites. Pode ser apenas temporária,  quando é provocada pelo consumo de álcool, pela ingestão de cebola, alho e outros alimentos muito aromáticos e pelo tabagismo.

Sinusites, abscessos amigdalianos, corpos estranhos na cavidade nasal, infecções pulmonares, bronquite, bronquiectasia e abscessos pulmonares, podem ser causas raras de halitose.

Tumores malignos da cavidade oral, nasal, orofaringe, nasofaringe, hipofaringe, laringe, traqueia e esôfago podem ser causas de mau hálito, mas também são muito incomuns.

Alguns medicamentos como os diuréticos, anti-histamínicos e descongestionantes, antidepressivos tricíclicos e anfetaminas podem causar boca seca pela diminuição da salivação, o que pode favorecer o aparecimento do mau hálito.

As causas gastroenterológicas de halitose incluem o divertículo de Zenker (bastante raro, que forma um recesso na parte posterior e superior do esôfago), a doença do refluxo gastroesofágico e as fístulas gastrocólicas (condições também incomuns e que são uma comunicação entre o estômago e os intestinos causados por úlceras complicadas, tumores ou complicações de cirurgias abdominais).

Portanto, entenda, seu estômago muito provavelmente não é culpado pelo seu mau hálito!

Existem as causas sistêmicas de halitose que seriam a cetoacidose diabética, as doenças renal e hepática avançadas e a trimetilaminúria, uma condição genética rara, que se caracteriza por um odor de peixe no hálito, suor e na urina.

 

Porque acordamos com mau hálito?

Durante a noite temos uma diminuição significativa da quantidade de saliva, muitas vezes dormimos com a boca aberta e muitos ainda roncam, o que deixa a boca seca. Também não nos alimentamos enquanto estamos dormindo. As bactérias se proliferam e liberam odores na boca que normalmente são amenizados durante o dia, justamente por causa da alimentação, da salivação e da higiene que fazemos depois de nos alimentar.

 

E o que interessa disso tudo?

Inicialmente lembre-se que muitos pacientes pensam que sofrem de mau hálito, mas na verdade isso não está acontecendo. Existem as causas psicológicas e neurológicas de halitose e, por isso, fique atento! Isso é mais comum do que você pode imaginar.

A primeira coisa a fazer é perguntar a uma pessoa próxima a você, a alguém que você tenha bastante intimidade e em quem confia plenamente, se há ou não a sensação de mau hálito vindo da sua boca.

Se você está percebendo mau hálito no seu companheiro ou na sua companheira, fale abertamente sobre o assunto e procurem ajuda.

Tente parar de fumar, se este é o seu caso!

Faça uma boa higiene bucal pela manhã, tome bastante água durante o dia, escove os dentes sempre que se alimentar e, pelo menos, três vezes ao dia.

Chupar balas e mascar chicletes o tempo todo, pode até eliminar o problema por alguns minutos, mas é uma estratégia equivocada, porque apenas dá às bactérias mais açúcar para fermentarem, o que tornará pior a situação.

Por tudo o que foi dito, perceba que o problema está muito provavelmente na boca do paciente. Assim, o primeiro profissional a ser consultado deve ser é o seu dentista.

Faça visitas regulares ao dentista e não apenas excepcionalmente, quando estiver sentindo algum problema.

Só depois de uma avaliação criteriosa por este profissional, se nada for realmente encontrado, você deve procurar um otorrinolaringologista que avaliará sua cavidade nasal, os seios da face, a faringe e a laringe à procura de alterações que possam justificar o mau hálito.

O gastroenterologista não é o profissional mais indicado para investigação de halitose, justamente porque as causas gastroenterológicas são muito incomuns e realmente são casos de exceção.  Como curiosamente é o gastro quem procuramos quando o problema é mau hálito, achei interessante informar as pessoas sobre o tema. Acompanhe sempre o nosso blog!